Notícia

Alunos de Publicidade e Propaganda criam apps sociais

Publicado dia 05/03/2018 às 02:54

O sétimo período do Curso de Publicidade e Propaganda da Faculdade de Pato Branco (FADEP), está desenvolvendo protótipos de apps sociais. A iniciativa compreende a disciplina de Projeto Experimental II, ministrada pelos professores Gelson Barbosa e Jozieli Cardenal. Na última quarta-feira, dia 28, o cronograma contou com a participação de Andrei Carniel, mestre em Engenharia de Software, que contribuiu na definição prévia das demandas que deverão ser abordadas pela turma.

A participação de Andrei, além de atender ao caráter interdisciplinar do projeto, se deu pelo fato de que a sua pesquisa de mestrado, na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), compreendeu o desenvolvimento de um app social, para estimular a cognição de crianças com deficiência intelectual.

"Fiquei surpreso ao encontrar, na área da Publicidade, essa preocupação com temas sociais, bem como a busca em desenvolver soluções tecnológicas visando produto/processo e público-alvo. Acredito que os futuros publicitários conseguirão uma visão consistente dos apps que deverão criar, e de suas extensões, oportunizando ganhos significativos para áreas de amplo conhecimento. Isso demonstra como a interdisciplinaridade é interessante e que, por meio dela, a cada experiência, é possível conseguir informações ou aprendizados novos”, avalia Andrei.

A proposta oportuniza a sequência dos trabalhos desenvolvidos no segundo semestre de 2017, na disciplina de Projeto Experimental I, quando a turma produziu vídeos e artigos científicos com temas de cunho social. “Neste novo momento, os grupos estão usando a pesquisa de campo e bibliográfica, bem como os materiais finais da disciplina anterior (artigo e vídeo), para criar protótipos de apps sociais. As propostas devem identificar novas demandas dos temas estudados no ano passado e, principalmente, apresentar soluções para essas problemáticas”, pontua a professora Jozieli.

Os alunos não precisarão desenvolver os apps, mas definir toda a modelagem: o conceito, a finalidade, o layout das interfaces, as funcionalidades, etc. Além do protótipo do app, cada grupo deverá elaborar uma campanha publicitária para divulgar a proposta. “A Publicidade e Propaganda aparecerá como mediadora na criação e divulgação desses protótipos de apps sociais. Dessa forma, os acadêmicos, no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), terão um produto com potencial de inserção no mercado, demonstrando, assim, o caráter empreendedor e interdisciplinar inerente ao curso”, ressalta o professor Gelson.

No segundo semestre de 2017, na disciplina de Projeto Experimental I, o grupo da acadêmica Thais Pagliarini abordou o papel da publicidade no reconhecimento do autismo no âmbito familiar. Segundo ela, a possibilidade de transformar a pesquisa em um app social – que poderá contribuir efetivamente para melhorar a comunicação entre crianças autistas e suas famílias – está sendo motivadora, especialmente por se tratar da reta final da graduação.

“Olhamos para a nossa profissão com tanto materialismo, que quando nos deparamos com um trabalho que envolve o lado social, custamos a acreditar que é possível relacionar esses diferentes olhares. Hoje, conhecendo melhor a real problemática do autismo, sabemos que podemos contribuir para mudar uma pequena parcela da realidade vivenciada por muitas famílias. Afinal,  um app pode, por exemplo, ajudar uma mãe a entender o que seu filho quer dizer ou esteja sentido e uma família pode observar a evolução do tratamento. Sabemos que não é simples, mas pode ser um pote de ouro encontrado no fim do arco-íris”, reconhece a acadêmica.

A ideia dos professores Gelson Barbosa e Jozieli Cardenal é, na medida em que os projetos estejam estruturados, integrar o Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, para que as propostas saiam do papel.

Matéria: Jozieli Cardenal

Foto: Jonatas Caldato